sexta-feira, 26 de maio de 2017

Banco de Livros - "Movimento pela reutilização dos livros escolares" - na Biblioteca Escolar do CBR

A equipa da Biblioteca Escolar relembra que possui um Banco de Livro que faz parte do “Movimento pela reutilização dos livros escolares”, sendo este um importante meio de reutilização de manuais escolares.

Se tem manuais escolares e não encontra qualquer uso para os mesmos, pode entregá-los na nossa Biblioteca Escolar. Estes serão posteriormente recolhidos por quem necessita.

Se necessita de algum manual e não o encontra, venha consultar o nosso Banco de Livros Escolares.


HORÁRIO PARA LEVANTAMENTO
Segunda, terça e quinta das 14h30 às 16h00 e das 17h30 às 18h30


HORÁRIO PARA ENTREGA
Segunda a Sexta das 14h00 às 18h30


CONTACTO
Tel. 289.701.021 / Tlm 968.639.564
e-mail da Biblioteca Escolar: bibliotecaescolarcbr@gmail.com


Nota: O Banco encontra-se encerrado durante o mês de agosto.



quinta-feira, 4 de maio de 2017

Aluna do Colégio Bernardette Romeira vence fase final do Campeonato Concelhio de Leitura Expressiva e Leitura Rápida.

No passado dia 2 de maio, no Auditório Municipal de Olhão, decorreu a fase final do Campeonato Concelhio de Leitura Expressiva e Leitura Rápida.

Esta é uma iniciativa conjunta do Município de Olhão e das Bibliotecas Paula Nogueira que tem como objetivos a promoção dos hábitos de leitura e a valorização da nossa Língua e da sua correta utilização. Neste concurso participaram os alunos representantes dos quatro Agrupamentos de Olhão e do Colégio Bernardette Romeira. 

A aluna Natacha Fernandes participou no 3º Escalão (3º Ciclo), tendo lido, expressivamente, um poema da sua autoria com o título “Sou como um peixe morto”, recebendo do júri a distinção de 1º lugar. Felicitamos a aluna pela sua participação e dedicação. 





“Sou como um peixe morto”

Sou como um peixe morto,
Olhos fechados, cabeça sem força,
Deixando-me levar sem nada que fazer,
Apenas quero desaparecer.


Caiu-me uma lágrima do olho,
Quando este se fechou,
Na imensidão do oceano
E apenas solidão ficou.


Que haverei eu de fazer?
Ficar deitada? Ficar morta?
Ou renascer e viver triste outra vez?


Coração partido, divide-te em mil pedaços
Divide a tristeza e a solidão,
Cada pedaço divide-o, parte-o,
Só te peço que o leves para longe de mim.