quinta-feira, 30 de março de 2017

Feira do Livro USBORNE - 5 a 12 de abril na Biblioteca Escolar do CBR

Entre os dias 5 e 12 de abril, a Biblioteca Escolar do Colégio Bernardette Romeira apresenta a 2ª Feira do Livro do ano letivo 2016/2017 que conta com a participação da editora inglesa Usborne.

A realização de eventos desta natureza, na biblioteca do colégio, estimula o gosto pela leitura junto de toda a comunidade educativa. Neste período apostamos no desenvolvimento das competências em língua inglesa, complementando assim o trabalho desenvolvido pelas professoras dessa disciplina.

Convidamos toda a comunidade educativa a visitar a nossa Feira do Livro, que oferece descontos convidativos (entre 10% a 30% nos livros individuais e até 60% de desconto nos ‘packs’).

A Feira do Livro Usborne decorrerá na Biblioteca Escolar entre as 16h30 e as 18h30.

Aguardamos a vossa visita!



"Estafeta Olharoca” – Foquim da Leitura

Inserido na comemoração do Mês da Leitura, a Rede de Bibliotecas Escolares de Olhão dinamizou a "Estafeta Olharoca", uma atividade de partilha de leituras, entre as várias escolas do concelho de Olhão.
No dia 22 de março, a turma do 4º Ano do Colégio Bernardette Romeira recebeu, num foquim, o testemunho da Estafeta Olharoca – a composição “Ó Vila d’Olhão” – o qual pretende homenagear José Afonso no ano em que se comemora o trigésimo aniversário da sua morte. A turma recebeu, como partilha de leitura, um poema alusivo à Primavera, seguida da análise dos poemas.

No dia 23 de março, foi a vez da Biblioteca Escolar do Colégio levar o testemunho à EB 2,3 Paula Nogueira e partilhar com a turma do 9ºB um poema de Nuno Júdice, “Vejo o Mundo”. Para melhor entender o poema, os alunos foram convidados a realizar uma atividade através da qual refletiram sobre os diversos olhares sobre o mundo.


Vejo o mundo. E ao ver as coisas do mundo,
com a sua realidade própria, vejo também
a diversidade que existe em cada coisa,
distinguindo-a, múltipla ou plural,
como se diz. No entanto, o que eu vejo
é sempre igual ao que eu penso
que o mundo é; e tudo se torna
semelhante, dentro deste mundo que é
o meu, e é sempre diferente do mundo que
existe no pensamento de outro. É por isso
que não penso nas coisas do mundo como
se fossem minhas; e que o deixo para os outros,
para que eles façam o mundo como quiserem,
para que seja diferente do meu, quando o
olho, e o que vejo me restitui o mundo
como eu o quero, diferente do mundo que
os outros pensam.

Nuno Júdice